Ultimamente, Emilia Clarke tem muito a agradecer.

Na primeira edição da People, Kindness, a atriz de Game of Thrones fala sobre sua dolorosa jornada de recuperação desde os seus aneurismas de 2011 e 2013 – e como ela conseguiu superar os obstáculos difíceis com a ajuda de estranhos e entes queridos.

“Foi um aneurisma que rompeu e foi muito traumático”, diz Clarke, 33 anos, na edição desta semana. “Os paramédicos foram incríveis. Eles me deram remédios que me fizeram sentir menos dor, me embrulharam como uma tortilha e me fizeram rir durante todo o caminho para o hospital. Lá estava eu, com o cérebro sangrando, e lá estávamos nesta ambulância, dando ótimas risadas. Eles foram gentis.”

Em março, a estrela de Last Christmas revelou que passou por duas cirurgias de risco no cérebro nos últimos oito anos para corrigir dois crescimentos diferentes de aneurismas. Os problemas de saúde de Clarke começaram em fevereiro de 2011, pouco depois de encerrar as filmagens da primeira temporada da série de sucesso da HBO, Game of Thrones.

Compartilhando sua história pela primeira vez em um ensaio para o The New Yorker, Clarke disse que as cirurgias eram difíceis e nem sempre bem-sucedidas, nem mesmo sua recuperação – em um momento ela queria “se desligar” quando não conseguia lembrar seu nome.

Mas, apesar de suas lutas, Clarke, que criou uma instituição de caridade, SameYou, que arrecada dinheiro para pessoas que se recuperam de lesões cerebrais e derrames, foi capaz de superar as adversidades com o apoio de seus entes queridos e da equipe médica.

“Também tinha minha mãe, quando ela entrou no hospital com sua superpotência de mãe: eu tive afasia [perda da fala], e ela olhou pra mim e disse: ‘Sim, eu sei exatamente o que você quer dizer”, a atriz diz à PEOPLE. “Ela me fez acreditar que entendia exatamente o que eu estava dizendo. Foi genuinamente o seu melhor momento.”

“E cada enfermeiro que conheci foram muito gentis”, diz Clarke. “Foi por isso que me tornei embaixadora no Royal College of Nursing em 2018. Os enfermeiros são os heróis desconhecidos, eles estão nos momentos mais assustadores das pessoas.”

“Toda essa experiência me inspirou a lançar minha organização SameYou, acrescenta ela. “As vidas das pessoas se transformam completamente após uma lesão cerebral, e a base do nosso trabalho é a recuperação – não são apenas as primeiras semanas que você precisa de ajuda, mas precisa de ajuda por anos. Eu queria alguém que fosse uma pessoa consistente, que tenha as respostas e que possa segurar sua mão e dizer aos pacientes que eles não estão sozinhos. Estar lá quando alguém está assustado, confuso ou com raiva é uma das coisas mais gentis que você pode fazer.”

 

Fonte: People

Tradução e adaptação: Emilia Clarke Brasil